Não querer saber

RICARDO MINI copy  SOCIEDADE

REFLEXOES DE RICARDO copy

Talvez se se deixasse de perpetuar à força um sistema de escassez fomentado pelo acesso a recursos através de dinheiro, acabasse a lamentela em relação ao facto de a maior parte das pessoas “não querer saber” da verdade acerca dos acontecimentos político-económicos, porque deixariam de ter de se arrastar em empregos precários, senão precários que ocupam a maior parte da jornada diária, altamente desgastantes, física e psicologicamente, os quais exercem sempre num ambiente altamente stressante, orientadas pelo medo de a qualquer momento poderem, como sempre podem, perder tudo, ser despedidas e já não poder sustentar a família, perder a casa, perder a possibilidade de se deslocar, não poder comer, viver na rua ao sabor das intempéries ambientais também elas provocadas por uma elite que pretende, a todo o custo, manter-se como tal na hierarquia social mundial e, para tal, manter também todos os estratos abaixo de si no seu devido lugar, também porque deixariam de aprender, de pequeninos, a submeter-se a autoridades, a submeter a sua opinião e posição pessoal, a sua capacidade crítica, ao grupo, a autoridades que emanam sempre os conhecimentos que são os considerados verdadeiramente essenciais para se manter vivo e prosperar, a frequentar um sistema de ensino desenvolvido para o exército prusso no século XIX e que deu origem à educação pública, em que tanto num como no outro o objetivo sempre foi doutrinar as pessoas para seguirem ordens e aprenderem o suficiente para desempenhar uma função requerida socialmente, aniquilando outros aspetos fundamentais do desenvolvimento do intelecto humano, e que levam a que as pessoas aceitem tão passivamente tudo o que lhes é imposto pelo coletivo, por quem está acima de si na hierarquia, e degluta e integre no imediato e para sempre os preceitos culturais transmitidos por essa via. Talvez se se superasse todas essas condicionantes, como eu ia a dizer, as pessoas não chegassem a casa cansadas demais para se interessarem por procurar fontes de informação independentes, para estudarem ciência, para aprenderem algo que poderiam aplicar para contribuir para melhorar a sua própria vida, a dos outros ao seu redor, a dos animais, a do planeta.

Não vale a pena perpetuar atitudes moralistas, atitudes de crítica destrutiva ao sistema, atitudes de padre a dar o sermão do púlpito, se não se criarem condições para que as pessoas desenvolvam valores diferentes, integrem conhecimento relevante e adquirem a capacidade de comunicar com os outros e não impor uma comunicação aos outros, o que não é possível se se insistir em manter modelos linguísticos ambíguos e culturalmente cêntricos. Não vale a pena pedir uma revolução, violenta ou não, se se perpetuarem culturalmente os mecanismos que fazem com se verifique um “eterno retorno” do fascismo.

Ricardo Lopes

 

FAÇA DOWNLOAD DESTE ARTIGO EM PDF:  PDF

 

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s